Regra de três simples

Teresa Abecasis, editora do tema 3 do REC.

0
505

O tempo passa e o REC vai ganhando forma a cada novo programa. O projeto, que nasceu da experiência de montar uma “simples” redação numa sala do cinema São Jorge, ganhou uma nova ambição. Agora, o objetivo é conseguir juntar alunos, professores de jornalismo e jornalistas numa mesma plataforma.

 

Para além da edição do terceiro tema, tenho acompanhado o desenvolvimento do REC nos bastidores e admito que, à primeira vista, tudo isto possa parecer uma loucura.

Os alunos dedicam o seu tempo muitas vezes extracurricular a algo que não conta para a nota do curso. Recebem comentários e sugestões aos seus trabalhos, muitas vezes à distância, e dá a sensação que refazem os seus trabalhos duas, três vezes, as que forem necessárias sempre com o mesmo entusiasmo.

Os professores desdobram-se para acompanharem estas reportagens, que durante bastante tempo viveram apenas numa nuvem – literal, aquela que armazena todos os nossos ficheiros, e fictícia, a da nossa imaginação. O primeiro programa do REC estava pronto há mais de um ano. Pelo meio houve muitos avanços e recuos, temeu-se o pior, mas o REC continuou a gravar.

E depois há os jornalistas, que continuam a aparecer, formação após formação, reunião após reunião, aparentemente apenas pelo prazer de ver um repórter em construção.

O programa que editei tem como tema o Trabalho, esse factor que nos define tantas vezes perante a sociedade, que determina muitas das nossas escolhas e a maior parte do nosso tempo. O REC é fruto de muito trabalho, mas daqueles que escolheram fazê-lo sem nada em troca e dedicando-lhe, parece-me, todo o tempo do mundo.

Se, por um lado, vejo o jornalismo tão atormentado por sucessivas crises de sutentabilidade e credibilidade, por outro, vejo repórteres determinados a travar esta batalha. Poder testemunhar isso tem sido um privilégio.

Neste programa participaram Francisco Nascimento, João Santos e Sara Alves da Universidade da Beira Interior, Ana Rua, Carolina Cardoso e Francisca Romão da Universidade de Coimbra, Susana Monteiro, Mariana Oca Ferreira e Carlos Almeida da Universidade do Algarve, José Pinheiro, Rita Rosa e Ana Raquel Lopes da Universidade Nova de Lisboa e César Castro e Miguel Ângelo Afonso da Universidade do Porto. A edição é de Teresa Abecasis, jornalista do Público e a pós produção de Miguel van-der Kellen, professor na Universidade Autónoma de Lisboa e formador no Cenjor. A apresentação é de Manuela Pires, jornalista da Renascença.